Por que os fundos imobiliários se beneficiam da queda de juros?

Por que os fundos imobiliários se beneficiam da queda de juros?

Fundos imobiliários estão entre os investimentos que se tornam mais atrativos quando há queda de juros; entenda por que isso acontece

Os sucessivos cortes na taxa básica de juros (Selic) desde o final do ano passado reduziram os rendimentos das aplicações de renda fixa conservadora, que são atrelados às taxas de juros.

A redução atingiu até mesmo a caderneta de poupança. Quando a Selic caiu para 8,25% ao ano, ativou-se o gatilho que muda o cálculo da remuneração da caderneta. Agora, ela paga 70% da Selic mais Taxa Referencial (TR).

Mas, se na ponta conservadora, os rendimentos caíram, outras aplicações financeiras andam brilhando. É o caso dos fundos imobiliários. Como vimos, eles foram os investimentos com maior valorização em setembro, e estão em segundo lugar no ranking de rentabilidade do ano.

Os fundos imobiliários, assim como as ações e os títulos de renda fixa prefixados, são investimentos com mais risco do que a renda fixa conservadora. Todos eles se beneficiam de um cenário de queda de juros, sofrendo quando a Selic está em alta.

Mas por que isso acontece?

Os fundos imobiliários investem em imóveis comerciais ou títulos de renda fixa atrelados ao mercado imobiliário. Entre aqueles que investem em imóveis propriamente ditos, há fundos que lucram com a valorização dos empreendimentos e outros que ganham com aluguéis.

Entenda o funcionamento dos fundos imobiliários e conheça os diferentes tipos.

Em função disso, sua remuneração não costuma ser diretamente atrelada às taxas de juros. Quando investem em títulos de renda fixa, estes costumam ser prefixados ou atrelados à inflação. Como já vimos, esse tipo de remuneração se beneficia de cenários em que a expectativa é de queda na Selic.

Quando investem em imóveis, a remuneração do fundo liga-se a outros fatores, como os aluguéis pagos pelos inquilinos, o faturamento desses inquilinos ou mesmo o lucro pela venda de imóveis da carteira.

Quando a Selic está alta, os fundos imobiliários têm dificuldade de remunerar acima da renda fixa conservadora. Ocorre que essa capacidade de pagar mais do que as aplicações de baixo risco é pré-condição essencial para que os investidores queiram sair da renda fixa conservadora para correr mais risco em um investimento como um fundo imobiliário.

Por outro lado, quando a Selic entra em um ciclo de queda, a atratividade dos fundos imobiliários cresce, enquanto que a dos investimentos conservadores cai.

Quando os juros estão baixos, a remuneração paga pelos fundos imobiliários torna-se suficiente para ganhar da renda fixa conservadora. Correr algum risco para ganhar mais passa a valer a pena.

Os investidores insatisfeitos com as parcas remunerações da renda fixa tradicional têm estímulo para buscar aplicações com mais risco e rentabilidade, a fim de manter seus bons ganhos.

O mesmo raciocínio aumenta a atratividade do investimento em ações e em títulos de renda fixa prefixados. Mas os fundos imobiliários contam com um atrativo a mais: isenção de imposto de renda para a pessoa física sobre os rendimentos pagos pelos fundos.

Queda de juros estimula o mercado imobiliário

Além disso, juros menores estimulam a economia em geral e o mercado imobiliário em particular.

A queda de juros barateia o crédito e estimula a atividade econômica. Com isso, há incentivo para construção, compra e venda de imóveis, produção e consumo.

Fundos imobiliários que lucram com a valorização dos imóveis, por exemplo, têm mais facilidade de realizar seus ganhos, pois há demanda.

Já aqueles que alugam seus imóveis podem ver seus rendimentos crescerem de diversas maneiras. Se os aluguéis forem atrelados às receitas dos inquilinos, um aumento nas vendas elevará o rendimento do fundo.

Os aluguéis poderão ser reajustados para cima, e os inquilinos, com boa saúde financeira, podem querer alugar imóveis melhores ou expandir suas atividades, o que requer mais espaço.

Juros altos, por outro lado, encarecem o crédito, o que reduz o investimento, o consumo e a produção. No mercado imobiliário, há menos lançamentos e menos gente querendo comprar imóveis. A situação se inverte.

O desaquecimento da economia prejudica os investimentos ligados diretamente à atividade produtiva, como os fundos imobiliários e as ações de empresas.

Inquilinos em dificuldade financeira podem, inclusive, ficar inadimplentes, tentar renegociar os aluguéis, devolver imóveis ou mesmo se mudar para locais com aluguéis mais baratos, aumentando a vacância.

Perspectivas para os fundos imobiliários são positivas

O mercado espera novos cortes de juros e crescimento econômico positivo para este ano e o próximo. Há expectativa de que o governo aprove reformas importantes para a recuperação da economia.

Além disso, as cotas dos fundos imobiliários abertos em bolsa ainda negociam abaixo do seu valor patrimonial, isto é, abaixo do valor dos imóveis que compõem sua carteira.

Com isso, os fundos imobiliários tendem a se manter atrativos, como já mostramos neste outro post.

Interessado em fundos imobiliários? A GENIAL pode ajudar você a investir! Abra a sua conta!

Fonte: Blog Genial

Please follow & like us 🙂

RSS
Follow by Email
Facebook
Twitter
LinkedIn
Instagram

Disclaimer

O conteúdo do Blog da AMG Capital Agentes Autônomos de Investimentos (“AMG Capital”) não deve ser considerado um relatório de análise para os fins do artigo 1º da Instrução CVM nº 483, de 6 de julho de 2010, tem caráter meramente informativo, não constitui e nem deve ser interpretado como sendo material promocional, solicitação de compra ou venda, oferta ou recomendação de qualquer ativo financeiro, investimento, sugestão de alocação ou adoção de estratégias por parte dos destinatários. Os prazos, taxas e condições aqui contidas são meramente indicativas. As informações contidas neste Blog da AMG Capital foram consideradas razoáveis na data em que ele foi divulgado e foram obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis. A AMG Capital não dá nenhuma segurança ou garantia, seja de forma expressa ou implícita, sobre a integridade, confiabilidade ou exatidão dessas informações. O conteúdo do Blog da AMG Capital também não tem a intenção de ser uma relação completa ou resumida dos mercados ou desdobramentos nele abordados. As informações de terceiros disponibilizadas no Blog da AMG Capital não refletem nossa opinião de modo que não nos responsabilizamos pela veracidade, exatidão e correção das informações. Os instrumentos financeiros discutidos no Blog da AMG Capital podem não ser adequados para todos os investidores. Este material não leva em consideração os objetivos de investimento, situação financeira ou necessidades específicas de qualquer investidor. Os investidores devem obter orientação financeira independente, com base em suas características pessoais, antes de tomar uma decisão de investimento. Recomenda-se uma profunda análise das características, prazos e riscos dos investimentos antes da decisão de compra/venda/aplicação/resgate. É expressamente recomendada a leitura do Regulamento, prospecto, edital e demais materiais de divulgação antes da decisão de investimento, com especial atenção aos fatores de risco. A AMG Capital não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste material ou seu conteúdo. Rentabilidade passada não é garantia de rentabilidade futura. Em relação ao conteúdo do Blog da AMG Capital fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da AMG Capital. A Ouvidoria da Genial Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes não se sentirem satisfeitos com as soluções de seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 605 8888. Para maiores informações sobre produtos, tabelas de custos operacionais e política de cobrança, favor acessar o site: www.genialinvestimentos.com.br.

Related posts

Como declarar renda fixa no Imposto de Renda

Investimentos em renda fixa devem ser informados na declaração de imposto de renda de quem estiver obrigado a declarar. Saldos superiores a 140 reais e rendimentos obtidos com aplicações como CDB, LCI, LCA, debêntures e títulos públicos precisam ser informados à Receita. Neste artigo você vai aprender a declarar...

Leia Mais

Como declarar Tesouro Direto no Imposto de Renda

Investidores que são obrigados a entregar a declaração de imposto de renda 2018 devem informar suas aplicações financeiras na declaração. Os títulos públicos negociados pelo Tesouro Direto não ficam de fora. Neste post, veremos como declarar Tesouro Direto no IR 2018. Algumas regras de obrigatoriedade para entrega da declaração...

Leia Mais

Give a Reply

Gostou deste artigo? Compartilhe!